Clarim - Livro
Logo
Araxá / MG - , -
Clarim no WhatsApp (34) 98893-8381
Menu
PC pede prisão de jovem que fugiu após atropelar criança
21/09/2017, às 09:03:34

A Polícia Civil (PC) representou pela prisão do comerciante JFRN, de 22 anos, que fugiu após atropelar uma criança, por volta das 20h de sábado, 16, na av. Vereador João Sena, bairro São Pedro. O motorista conduzia um Ford/Fiesta em alta velocidade e ao desrespeitar o semáforo atropelou AFG, de 10 anos, que atravessava a via pela faixa de pedestres, fugindo em seguida sem lhe prestar socorro.

A criança sofreu lesões e foi levada à Santa Casa de Araxá. A Polícia Militar realizou a operação cerco/bloqueio, mas não conseguiu localizar e prender o autor que causou o acidente. Porém, o veículo foi identificado com o auxílio do sistema de vídeo monitoramento e no seu prontuário havia um comunicado de venda para uma mulher supostamente moradora no Estado de Goiás. Os policiais civis conseguiram descobrir que a atual proprietária do veículo reside em Araxá e tinha declarado falsamente o endereço em Goiás em razão dos valores dos tributos, o que pode constituir crime. Durante as diligências, os policiais civis descobriram que o filho da proprietária do veículo era quem o conduzia quando causou o acidente e fugiu em seguida. A PC realizou uma pesquisa nos sistemas das polícias e constatou que, em abril de 2017, o suspeito já havia sido preso por porte ilegal e disparos de arma de fogo e estava em liberdade provisória. Desde o dia do atropelamento, o comerciante e o automóvel que dirigia estão em local incerto.

Para o delegado, Renato de Alcino, a pessoa que na direção de um veículo trafega em alta velocidade por uma das principais e mais movimentadas avenidas da cidade, desrespeita o semáforo e atinge uma criança que estava sobre a faixa de pedestre poderia prever o ocorrido e assumiu o risco de provocar uma morte. “Mudando o que tem que ser mudado, tem o mesmo potencial lesivo do indivíduo que de arma de fogo em punho efetua disparo contra uma multidão. Em qualquer dos cenários, o resultado de morte é previsível. Seja o motorista ou o atirador, com seus comportamentos assumem o risco de causar a morte de outrem”, afirma. Para o delegado, trata-se de clara situação de dolo eventual, cujo resultado de morte da criança não aconteceu por motivos alheios à vontade do motorista. Diante da fuga dele e da necessidade de proceder o seu interrogatório e a apreensão do veículo para fins de perícia, Renato representou pela prisão temporária do suspeito e aguarda manifestação do Poder Judiciário e do Ministério Público de Araxá.


Clarim
Radix Comunicação e Tecnologia